O que você precisa pra evoluir?

Manifesto da Cultura da Sensedia vai além dos APIs

manifesto

Dias atrás, este blogueiro que humildemente vos fala estava em seu rolê e encontrou este manifesto produzido à mão na parede da Sensedia. Caso a foto não esteja boa o suficiente e você não tenha conseguido ler, seguem os princípios do Manifesto da Cultura dos caras:

  • AGILIDADE ao invés de BUROCRACIA

  • TRANSPARÊNCIA ao invés de COCHICHOS

  • NOME ao invés de LOGIN

  • INOVAÇÃO ao invés de MESMICE

  • PEDIR DESCULPAS ao invés de PEDIR PERMISSÃO

  • ÉTICA ao invés de JEITINHO

Este não é o primeiro manifesto que você vê por aqui. Estou certo de que, mais do guiar a cultura digital ou qualquer outra coisa, esta série de princípios bem que poderia orientar o trabalho de qualquer um. Não só no Brasil, mas no mundo.

Nesta época em que está todo mundo muito mais preocupado com sua árvore do que tentar enxergar a floresta inteira, estes valores poderiam servir de perspectiva para a gente sair do lugar-comum, encontrar novas formas de você produzir mais. Falo não só no seu serviço como funcionário, como empreendedor, como político. Mas enquanto sujeito protagonista da sua própria jornada.

E falando em sujeito da sua própria jornada: isso me remete a um dos caras de que pouco falo, mas que também é referência na minha história. Este fera conseguiu sair do lugar-comum de defender uma única agenda de assuntos (a legalização da maconha) para, a partir da sua própria trajetória, trazer uma visão de mundo que fez acordar muita gente. Gente até que nem curte o tal do hip-hop.

Bom, deixa eu parar de falar, dê o play no ícone abaixo e me diz o que você acha.

 

Anúncios

Tempo, tempo, mano velho

Jeff Bezos, da Amazon, financia um relógio com duração de 10 mil anos.

relogio

Quando você era garoto, com certeza, o futuro era algo parecido com o próximo ano. Agora, mais adulto, pensar a longo prazo talvez seja um projeto para daqui a cinco, dez anos…

Mas para que serve o futuro? O que se pode se construir hoje para que, daqui a milênios, a humanidade ainda tenha mantido a obra em pé? Para que serve uma máquina que dure 10 mil anos?

O tempo que se conta ao longo de muitas e muitas gerações. Afinal, foram há 10 mil anos que o homem começou a desenvolver a agricultura e deixou de ser um sujeito nômade na terra. Praticamente, um piscar de olhos no relógio da antropologia.

São essas perguntas que motivaram o cientista de computação Danny Hills a escrever um artigo para Wired em 1995. E que, agora, começa a se tornar realidade. Com financiamento no valor de US$ 42 milhões do todo poderoso chefão da Amazon, Jeff Bezos, um relógio está, neste momento, sendo construído. Para durar 10 mil anos, não poderia ser um objeto virtual e nem dispor de tecnologia digital. Este marcador de tempo é totalmente mecânico e, para que sua estrutura não sofra com o passar dos séculos, ele está sendo instalado no oco de uma montanha, no Texas, Estados Unidos.

O relógio de 10 mil anos foi criado para obter energia a partir das mudanças de temperatura na terra. E, além da Now Long Foundation (entidade filantrópica ligada a Bezos), muitas outras pessoas estão conectadas a este projeto que, inclusive, estará aberto ao público em geral. Quando estiver funcionando, a partir de um sistema desenvolvido pelo músico britânico Brian Eno, o relogião vai tocar a, cada dia, uma melodia diferente.

Por enquanto, você só poderá conferir a evolução do projeto pelo seu site na web ou pelo vídeo abaixo. E deixar o tempo correr macio.

Clock of the Long Now – Installation Begins from The Long Now Foundation on Vimeo.

Com informações de Canal Meio, Wired e BBC.

Crédito da imagem: Unplash.

Pios Olímpicos

Twitter bate recorde olímpico: Mais de 187 milhões de tuítes durante os Jogos Rio 2016

onibus

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 acabou na semana passada. Apesar de não sair nem na décima posição, o Brasil não fez tão feio – afinal, teve seu maior recorde de medalhas em mais de 100 anos de olimpíada, com atleta batendo recorde olímpico e até ganhando mais de uma medalha na mesma edição.

Tudo isso você já sabe!

O que você não deve estar muito ligado é em outro recorde: esta também foi a olimpíada mais tuitada da História! O feito superou o recorde da Copa do Mundo, também no Brasil, em 2014.

A ideia deu muito certo. Um dos itens mais comentados do evento foi o Twitter Buzz: um busão que, no lugar das janelas, contava com painéis de LED para mostrar os principais resultados dos jogos, tuítes relevantes, painel de medalhas etc. Além disso, o veículo também funcionava como antena wi-fi para que qualquer um com conta no site pudesse usar à vontade para navegar na web. O Twitter Buzz circulou por vários pontos da capital olímpica durante as três semanas de jogos.

arcodalapa

Outra ação bacana foi a projeção dos resultados dos jogos nos Arcos da Lapa! Quer coisa mais carioca e bacana do que esta? E, também em parceria com a prefeitura, muitos pontos do Rio de Janeiro foram decorados com hashtags para incentivar a participação da galera!

“Twitter, Vine e Periscope oferecerão os usuários um acesso único a tudo o que acontece dentro do evento, comentários, destaques e conversas durante todos os Jogos e enquanto a ação acontecer”, explicou a diretora de marketing do Twitter para o G1, Leslie Berland.

ALCANCE –  O esquema não poderia ter melhor resultado: no final das Olimpíadas, mais de 187 milhões de pios foram enviados, em todo o mundo, só por conta dos Jogos. No total, esse volume gerou 75 bilhões de impressões, quantidade de vezes em que os Tweets sobre a Olimpíada do Rio de Janeiro foram vistos dentro e fora da plataforma, segundo dados do Blog do Twitter.

E de novo o Brasil surpreendeu! Adivinha qual foi o lance mais comentado de toda a Olimpíada? O pódio abaixo deixa claro!

podio

 

Agora é aguardar os resultados que a firma vai apresentar para os Jogos Paraolímpicos, que começa no feriado de 7 de setembro. Teje ligado!

PÉ NA COZINHA – Pra quem esteve ligado na final do Masterchef BR, na última terça-feira (23/08), pode ver que, outra vez, ficou por conta do Twitter dar a notícia de quem foi o grande vencedor da edição. Desta vez, a parceria para apresentar o Leonardo como grande campeão foi entre Band, TW e a operadora TIM.

Com informações da Exame, IG, G1 e Estadão.

Imagens do Pixabay, Blog do Twitter e TribunaOnline.

//platform.twitter.com/widgets.js

 

Base de Dados

A Base Nacional Comum em debate pelo MEC traz a indexação das aulas. E isso pode influenciar escolas e negócios

estudo

Os Estados Unidos estão entre os países que tem um currículo escolar padronizado, ao lado de Portugal, Finlândia e África do Sul. Sobre forte pressão política, o país só conseguiu padronizar de fato as aulas de inglês e matemática. Mas a campanha teve um sinal positivo: a indexação das aulas.

No Brasil, a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) elaborado pelo Ministério da Educação com ajuda de 35 universidades também vem com todas as aulas codificadas. As aulas de representação do tempo da disciplina de História dos primeiros anos do ensino fundamental vêm com os códigos CHHI3FOA026 e CHHI3FOA027. Se aprovado, este vai ser o índex das aulas em qualquer escola do Brasil, seja particular ou pública, do Ceará, São Paulo, ou do interior do Rio Grande do Sul.

E assim funciona a indexação. Na versão norte-americana, conhecida como Common Core, os padrões de aprendizagem deram origem a uma série de startups com foco na área educacional. A Khan Academy foi uma delas, porque conseguiu, a partir do index geral, reorganizar todo seu conteúdo de matemática. Outro foi o GreatSchools: um site indica o melhor colégio estadunidense conforme o perfil de cada aluno.

O BNCC estará aberto para qualquer um contribuir com suas melhorias até o dia 15 de março. A ideia é debater se os conteúdos são específicos para cada matéria de verdade ou se podem ser melhorados. Até os viés ideológicos das ciências humanas estão em questão. O Twitter do MEC já anunciou, no fim de fevereiro, uma lista das primeiras contribuições da galera. Confere ai e boa aula!

 

Com informações de Época, Época Negócios e Estadão.

Crédito da foto: Salfordlad1

Melhor nem ver

Campanha da Prefeitura de Curitiba conscientiza a galera sobre a pornografia como vingança

Você recebe uma imagem ou um vídeo meio distorcido de uma garota bonita pelo seu whatspapp. Curioso (ou por gostar do tema), você rapidamente tenta fazer o download do arquivo. Eis que surge a mensagem “Se não é pra você, é melhor nem ver”.

É com esta isca que a Prefeitura de Curitiba, no Paraná, criou a campanha Mulheres Incompartilháveis: um projeto que visa conscientizar as pessoas sobre a chamada pornografia da vingança ou revenge pornquando um babaca, por ter terminado o namoro recentemente e continuar magoadinho, resolve publicar nas redes sociais as fotos ou vídeos íntimos que fez com a antiga peguete/namorada/mulher.

O crime é grave e punível por lei. Tanto o idiota que vaza um vídeo privado não autorizado quanto as pessoas que o compartilham podem ser acusadas de injúria e difamação, por causa do prejuízo que causaram à honra e à imagem da mulher exposta.

Mesmo com este alerta, o crime está cada vez mais comum. Só no ano passado, a organização SaferNet registrou mais de 200 usuários que denunciaram casos de pornografia da vingança. Segundo o Estadão, o número de denúncias quadriplicou em 2013 e 2014 e a maior parte da vítimas são garotas entre 13 e 15 anos.

Se o caso ocorrer com você ou você souber de qualquer situação assim, denuncie na Central de Atendimento à Mulher pelo Telefone 180. A ligação é gratuita e pode ser feita via celular, telefone fixo ou público.

Com informações da Revista Donna e Brasil Post.

O mundo é dos espertos

Google reúne profissionais de marketing em salas de cinema para destacar o básico – smartphones estão tão presentes na vida cotidiana que nem se nota mais

Smartphone

Por dia, você deve consultar seu smartphone cerca de 150 vezes. Checar redes sociais, comparar preços de produtos e serviços, fazer reservas em hotéis, pedir comida delivery – tudo passa pelo celular com acesso à web.

No último dia 10 de junho, o Google reuniu cerca de 7 mil profissionais de marketing e comunicação, em 22 salas de cinema espalhadas por 10 cidades brasileiras para apresentar o vídeo abaixo. A ideia é evidenciar o óbvio – o quanto o móbile está presente em nossas vidas, ultrapassando o uso do computador de mesa.

Segundo o filme, já são mais de 48 milhões de pessoas, em todo o mundo, que possuem um smartphone . Só na classe C, o crescimento é de mais de 200% nos últimos 10 anos.

Ao contrário do que se pensa, Facebook, Instagram, Twitter ou outras redes sociais já não são os principais hábitos da sua vida via celular. 72% do hábito de uso estão diluídos em buscas, mapas, e-mails, comparação de preços, compras e aplicativos diversos. Assista ao vídeo e saiba mais.

A proposta da ação, obviamente, é fazer com que anunciantes apostem mais neste universo já que, mesmo com essa quantidade enorme de usuários, os anúncios em mobile ainda representam menos de 5% das verbas de propaganda.

Com informações do Google Mobile Day e Comunique-se.

Crédito da foto: Flickr Jenny Karlsson.

A cidade só cresce

Campinas passa a integrar Rede Nossas Cidades e realiza primeiro encontro dia 12

I_Encontro_Rede_Minha_Campinas

Se você é um cidadão interessado, no próximo dia 12 de junho você está convidado a participar do 1º Encontro da Rede Minha Campinas. O evento será na sede da Minha Campinas, na Av. Nestor Castanheira, 80, na Vila Industrial, das 8h30 às 12h. A proposta é debater a cidade em que moramos, nossas comunidades, conquistas, lutas e necessidades. O evento é aberto a todos os interessados no tema, especialmente colaboradores e educandos de entidades assistenciais. Pode levar alguns salgados, um cafezinho para melhorar o papo.

Durante a reunião, será entregue a Revista da Cidadania, com o tema do 12º Encontro da Cidadania, realizado há 12 anos, que a partir de 2015 será realizado pela Rede Minha Campinas.

A Rede Minha Campinas é uma das nove cidades que integram a Rede Nossas Cidades. A iniciativa foi contemplada entre mais de 70 municípios para participar de uma rede de mobilização social que busca aproximar os cidadãos das decisões políticas por meio de plataformas digitais e encontros regulares, de formação política e integração da rede.

A ideia é ter uma atuação conjunta, horizontal, grande e diversa para debater os principais interesses e políticas públicas de Campinas, formando uma comunidade de milhares de pessoas que age politicamente, compartilhando ideias e habilidades para tornar a cidade cada vez maior e melhor para seus habitantes.

Para fazer parte da rede Nossas Cidades, o grupo fundado por Helena Whyte, Marcelo Nisida, Cláudia Oliveira, Elisa Mueller, Eduardo Silva, Juliana Patete e André Bordignon realizou uma campanha de financiamento coletivo lá no Catarse. Os recursos obtidos ajudarão no programa de capacitação e acompanhamento do grupo pela Rede Nossas Cidades. De tão bom, o projeto conseguiu atingir metade da sua meta no valor de R$ 14 mil já nos primeiros dias de campanha com apoio de sua rede de parceiros.

cadeira_praça

A Rede Nossas Cidades, por sua vez, é um projeto tão bacana que foi vencedor no Desafio de Impacto Social Google Brasil. O modelo surgiu com projeto Meu Rio, em 2011, e Minha Sampa, iniciado em 2014. Além de Campinas, também foram finalistas as cidades de Blumenau, Curitiba, Garopaba, Ouro Preto, Porto Alegre e Recife.

Entre as coisas legais que os caras criaram está a ferramenta Panela de Pressão – um canal direto entre moradores e poder público onde qualquer cidadão pode criar uma causa específica para cidade e recolher apoios. Foi assim que eles conseguiram, entre outras coisas, impedir que a Escola Municipal Friedenreich, no Rio de Janeiro/RJ e eleita a 4ª melhor escola pública da cidade, fosse demolida para a construção de um estacionamento para a Copa do Mundo 2014.

A história do início do projeto já foi parar no TED e você pode ver aqui.

 

Se você se identifica com o Minha Campinas, pode saber mais sobre o projeto pelo e-mail apoie@minhacampinas.org.br.

Com informações da Rede Minha Campinas e Campinas.com.br.

Crédito das imagens: Minha Campinas

Empresta o carro?

Compartilhamento de automóveis de forma segura é alternativa para os problemas de mobilidade das grandes cidades

14976553224_f4d237656d_c

Então fica valendo assim: agora você não tem mais só que contar com seus pais ou seu melhor amigo para ter um carro emprestado por uma noite ou mais. Basta se cadastrar num site, dizer onde você quer ir e por quê, e encontrar um automóvel por perto que possa atender ao que você procura. Quanto custa o aluguel, quando e onde retirar você combina com o proprietário da máquina.

Para quem tem um carro, mas não o utiliza todo o tempo, também tem vantagens: além de render uma grana com um veículo que permaneceria parado, você contribui para um trânsito não tão travado como o que vemos nos horários comerciais das grandes cidades do País.

É assim que funciona o Fleety: a primeira rede de compartilhamento de carros entre pessoas da América Latina, que funciona em São Paulo/SP há cerca de dois meses. Todos os automóveis anunciados contam com serviço de seguro e o combustível fica por conta de uma rede de postos credenciados. Para manter a qualidade, todos os usuários são convidados a avaliarem o processo de locação, comentando sobre o carro alugado ou sobre o usuário que alugou o veículo. No final de 2014, o site já tinha 700 usuários cadastrados e 50 veículos disponíveis em São Paulo/SP e Curitiba/PR.

Conheça o Fleety from Fleety on Vimeo.

 

Mobilidade Urbana

A presença de muitos carros nas metrópoles é um desafio para motoristas, comércio e prefeituras de todo o mundo. Um lugar como Curitiba, por exemplo, já tem quase 2 milhões de habitantes e 1,45 milhões de automóveis. Se todos os curitibanos resolverem sair com o carro ao mesmo tempo, não haverá rua para todos eles no município. Para pensar um problema como este, a prefeitura da cidade realizou, no início de abril, um Seminário Internacional sobre o Uso do Automóvel.

3741161371_a9d57c5687_o

Meu Carro é Um Monstro!

Os custos para se manter um automóvel particular é outro fato que assusta muita gente! Se você nunca calculou quanto custa ter um possante, entre em www.carromonstro.com.br e se prepare para saber quanto dinheiro a sua máquina consegue consumir.

De uma forma até engraçada, o site apresenta os valores por dia, mês, ano e total e dá até um nome ao seu animal de quatro rodas. Dá até pra saber quanto gás carbônico o monstro solta e quantas árvores deveriam ser plantadas para equalizar essa conta.

O Diários do Futuro torce para que a ideia do Fleety se espalhe logo por mais cidades. Pesquisas apontam que um carro emprestado pode eliminar até outros 9 veículos das ruas. Além disso, com a natural desvalorização econômica das máquinas, a possibilidade de se ganhar uma renda extra com um o carro que ficaria na garagem se torna até uma vantagem financeira.

Com informações do Bem Paraná, Correio Braziliense e Estadão.

Crédito das fotos: wawanho e Rana Sunoko.

Divulgue suas histórias por aí

Medium mal estreou por aqui e já ganhou vários prêmios. Ligue-se nesta nova plataforma.

ideia_fresca

A versão brasileira do Medium começou a funcionar em outubro último. Mistura de rede social e blog, o Medium permite que autores e leitores tenham acesso a boas histórias. É possível seguir escritores e criar coleções com suas leituras prediletas.

“O Medium é um lugar para as pessoas dividirem ideias e histórias importantes”, contou o gerente de recursos humanos da plataforma, Gabe Kleinman, em entrevista à Exame.com

As coleções são a principal novidade do Medium. É a partir de coleções – criadas pelos usuários do site mas abertas a todos os cadastrados – que os textos estão classificados. Assim, fica muito fácil localizar um assunto interessante para ler e acompanhar.

escrever_e_meu_hobby

A forma de publicar na rede social é muito simples. Só é necessária uma conta no Twitter. Outra inovação é a opção de comentários dentro do próprio texto que, no Medium, recebe o nome de notas. O blog do Medium fornece todas as dicas e truques para os autores novatos.

Dedicatória (Dedication) from Biel Gomes on Vimeo.

 

Recentemente, o Medium divulgou a lista de trabalhos que finalistas de grandes prêmios web e de jornalismo em 2014.

No final, como explica o Tecnoblog, o Medium é o mais indicado para textos bacanas, bem redigidos, pesquisados, completos. É uma tendência que surge em oposição às curtas mensagens do Twitter, chamada de Long Form Content ou escrita de fôlego. Anunciantes, buscadores e especialmente leitores dão muito valor a esta nova redação. E, também para quem escreve, a satisfação é maior.

Com informações de Medium Brasil, Exame.com, Tecnoblog e Gizmodo Brasil.

Imagens de Esther Aarts e Charles Jeffey Danoff.

Escolha Independente

Mozilla celebra 10 anos com manifesto pela internet livre

firefox_p

A Fundação Mozilla é a criadora do Firefox – o navegador em código aberto mais utilizado no mundo. Ele só perde para o Chrome e Internet Explorer, ambos de código fechado, desenvolvidos pelo Google e Microsoft respectivamente. Em lugares como Europa e África, ele é o segundo navegador mais utilizado, segundo dados do site Pingdom de 2013.

firefox

Neste novembro, a Mozilla completou 10 anos de fundação anunciando seu manifesto pela escolha independente da web. Veja os 10 princípios dos trabalhos dos caras:

  1. A internet é parte integral da vida moderna – componente chave para educação, comunicação, colaboração, negócios, entretenimento e para a sociedade como um todo.
  2. A Internet é um recurso público global que deve permanecer aberto e acessível.
  3. A Internet deve enriquecer a vida das pessoas como seres humanos.
  4. A segurança e a privacidade das pessoas na Internet são prioridades, e não devem ser tratadas como opções.
  5. As pessoas devem ter a capacidade de moldar a Internet e suas experiências com ela.
  6. A efetividade da Internet como um recurso público depende de interoperabilidade (protocolo, formato de dados e conteúdo), inovação e participação descentralizada mundialmente.
  7. Software livre e aberto promovem o desenvolvimento da Internet como um bem público.
  8. Processos transparentes e com a colaboração da comunidade resultam em confiança e coletividade.
  9. O envolvimento de empresas no desenvolvimento da Internet pode trazer muitos benefícios, mas é preciso ter um equilíbrio entre os lucros e a preocupação com as pessoas.
  10. Ampliar o benefício público promovido pela Internet é um importante objetivo ao qual vale dedicar tempo, atenção e compromisso.

O manifesto está explicado com detalhes no site do pessoal do Mozilla. Você também pode compartilhar esses princípios nas redes sociais.Nem é preciso destacar que o Diários do Futuro ratifica e assume como seus tais valores.

Ainda como presente de aniversário, a Mozilla criou um vídeo espetacular que atesta e resume todo que foi dito acima. Curte aí!

 

Com informações da Info Exame.

Credito das imagens: Garrett LeSage e pro_webdev

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.