Zuckerberg às multidões

4540781693_84b27ecea5_c

Mark Zuckerberg (que aliás faz aniversário no mesmo dia que o autor deste blog) falou hoje diretamente do seu perfil no Facebook sobre liberdade de expressão. Relacionado ou não, o pronunciamento vem na sequência há uma série de vazamentos de suas reuniões internas de equipe, em que ele citou os problemas com os congressistas dos Estados Unidos e também da Europa.

Confere aí!

Crédito da imagem: Flickr.com

Em breve num Facebook perto de você

Facebook Watch apresenta conteúdo exclusivo, mas regras de monetização são desafio

sticker-mule-cPSroMqTRQg-unsplash

Você já deve ter ouvido falar do Facebook Watch: o novo braço da gigante empresa de Mark Zuckerberg destinada a ser uma plataforma de vídeos que, além de combater o YouTube, também segue a regra do seu fundador de tornar o entretenimento mais democrático, e não só um produto dos grandes grupos de comunicação.

Igual ao YouTube, nele também é possível se inscrever em canais e ver diversos vídeos on-line.

Lá fora, a plataforma já existe desde 2017. Em terras tupiniquins, ele chegou no ano passado. Agora, o Facebook Watch já está presente em mais de 20 países diferentes. No vídeo abaixo, você pode ver como ele funciona, como ver na sua TV Smart, pelo seu console de vídeo game e tal…

A grande novidade do momento é a criação de conteúdo exclusivo para este aplicativo. Em post desta tarde, o Justin Timberlake acaba de compartilhar o trailer da nova série em que a maior estrela é sua mina, Jessica Biel. Limetown Stories vai ter dez episódios, participação de outros grandes atores e é fruto de um investimento de mais de 2 bilhões de dólares que o Facebook vai destinar para o Watch.

Isso porque reter as pessoas assistindo a vídeos no site do Zuck ainda é um desafio. Apesar de contar com uma média de 50.000.000 assistindo a no mínimo um minuto de filmes por lá, o Facebook ainda perde em permanência para seu maior rival do Google. É por isso que as regras para se ganhar dinheiro com conteúdo em vídeo no Facebook também mudaram.

O sarrafo está mais alto. Para começar a ter o benefício da monetização, o criador de vídeo tem que ter, pelo menos, 10 mil seguidores ou 30 mil visualizações de um minuto em seus filmes. O que vier primeiro.

Com informações de Ad.Results, Tecnoblog e Jornada Geek.

Crédito da imagem: Unsplash

Aceita cartão?

A Apple lança cartão de crédito como símbolo de status. E vira piada

451598-PEZYND-499.jpg

Um verdadeiro luxo. Feito de titânio, o novo cartão de crédito da Apple é um dos mais caros e trabalhosos do mercado. Sobre a base de titânio, são aplicadas muitas camadas de tinta para garantir o tom branco que só ele tem. E o nome do titular (além do logo da maçãzinha, claro!) são gravados a laser. Básico assim. Ficou curioso em saber como o cartão chega na sua casa? Dá uma olhada no vídeo abaixo.

Os caras da Apple começaram a distribuir esta verdadeira joia a todo mundo que mora nos Estados Unidos e que possua um iPhone a partir desta semana. De bandeira Mastercard, o cartão é pelo banco internacional Goldman-Sachs. Ele não tem taxas nem anuidades, apenas os juros do crédito rotativo que vai de 12,99% a 23,99% ao ano. Também tem serviço de cashback, em que você pode converter até 3% do dinheiro gasto via Apple Pay, em corridas de Uber e entregas de comida.

Claro que, com toda a publicidade feita sobre ele (dá uma olhada no cartaz em loja física acima) e mais o seu acabamento sofisticado, a novidade da Maçã só poderia acabar em uma coisa. Adivinhou se você disse meme de internet.

Apesar de ser feito em metal pesado, o bagulho é bem delicadinho. Você está de calça jeans? Não pode usar o cartão no bolso. Tem carteira de couro? Também não pode levar lá. É bom não aproximar seu novo cartão dos outros cartões de plástico que você tem. Tudo isso pode danificar o novo mimo, como a própria página de suporte do cartão esclarece:

“Se o seu cartão de titânio da Apple entrar em contato com superfícies ou materiais duros, é possível que o revestimento seja danificado. Não use limpadores domésticos ou de janela, ar comprimido, sprays de aerossol, solventes, amônia ou abrasivos para limpar seu Apple Card de titânio. Alguns tecidos, como couro e jeans, podem causar descoloração permanente que não sumirá”

É lógico que todos esses cuidados fazem parte de um grande pacote marqueteiro para aliar a marca ao símbolo de luxo, status e exclusividade que até um cego pode ver. Será que alguém já está inventando película protetora desse cartão, como a que você usa para não riscar seu smartphone. Deixo esta questão filosófica pra plateia.

Com informações de Canal Meio, MacMagazine, The Verge e Tecnoblog.

A nova loja da rua

Mais de 20 milhões de artigos fazem parte do portfólio da Amazon a partir de hoje.

architecture building business city

Foto por Pixabay em Pexels.com

O dia 22 de janeiro de 2019 marca a estreia de novas categorias na Amazon tupiniquim. A partir de hoje, mais do que livros, a maior operadora de comércio eletrônico mundial passa a vender também aos brasileiros quatro novas categorias: Bebê, Beleza, Cuidados Pessoais e Brinquedos.

E, para marcar esta data, todas as compras acima de R$ 149 terão frete grátis. A entrega de livros e CDs também será gratuita para quem comprar a partir de R$ 99. Tá bom pra ti?

Somando às outras 11 categorias já existentes, a loja contará com mais de 20 milhões de itens no catálogo destinado ao Brasil. Isto, neste mesmo país que foi o primeiro a receber um centro de distribuição novinho e exclusivo da marca, na cidade de Cajamar, em São Paulo.

Com o armazém brasileiro medindo o equivalente a 10 campos de futebol (ou 47 mil metros quadrados, como preferir), a Amazon iniciou 2019 sendo considerada a empresa mais valiosa do mundo pela Bolsa de Nova York.

A Amazon nasceu há 25 anos atrás, numa garagem que ficava em Seattle, nos Estados Unidos. No início, não passava de uma startup para vender livros usados. Em 2019, este verdadeiro gigante atingiu o valor de US$ 797 bilhões (isso mesmo, bilhões de dólares), desbancando, por quase US$ 10 bilhões acima, a Microsoft.

Com informações da TV UOL, Canal Meio, G1, BBC e Época Negócios.

O que você precisa pra evoluir?

Manifesto da Cultura da Sensedia vai além dos APIs

manifesto

Dias atrás, este blogueiro que humildemente vos fala estava em seu rolê e encontrou este manifesto produzido à mão na parede da Sensedia. Caso a foto não esteja boa o suficiente e você não tenha conseguido ler, seguem os princípios do Manifesto da Cultura dos caras:

  • AGILIDADE ao invés de BUROCRACIA

  • TRANSPARÊNCIA ao invés de COCHICHOS

  • NOME ao invés de LOGIN

  • INOVAÇÃO ao invés de MESMICE

  • PEDIR DESCULPAS ao invés de PEDIR PERMISSÃO

  • ÉTICA ao invés de JEITINHO

Este não é o primeiro manifesto que você vê por aqui. Estou certo de que, mais do guiar a cultura digital ou qualquer outra coisa, esta série de princípios bem que poderia orientar o trabalho de qualquer um. Não só no Brasil, mas no mundo.

Nesta época em que está todo mundo muito mais preocupado com sua árvore do que tentar enxergar a floresta inteira, estes valores poderiam servir de perspectiva para a gente sair do lugar-comum, encontrar novas formas de você produzir mais. Falo não só no seu serviço como funcionário, como empreendedor, como político. Mas enquanto sujeito protagonista da sua própria jornada.

E falando em sujeito da sua própria jornada: isso me remete a um dos caras de que pouco falo, mas que também é referência na minha história. Este fera conseguiu sair do lugar-comum de defender uma única agenda de assuntos (a legalização da maconha) para, a partir da sua própria trajetória, trazer uma visão de mundo que fez acordar muita gente. Gente até que nem curte o tal do hip-hop.

Bom, deixa eu parar de falar, dê o play no ícone abaixo e me diz o que você acha.

 

Tempo, tempo, mano velho

Jeff Bezos, da Amazon, financia um relógio com duração de 10 mil anos.

relogio

Quando você era garoto, com certeza, o futuro era algo parecido com o próximo ano. Agora, mais adulto, pensar a longo prazo talvez seja um projeto para daqui a cinco, dez anos…

Mas para que serve o futuro? O que se pode se construir hoje para que, daqui a milênios, a humanidade ainda tenha mantido a obra em pé? Para que serve uma máquina que dure 10 mil anos?

O tempo que se conta ao longo de muitas e muitas gerações. Afinal, foram há 10 mil anos que o homem começou a desenvolver a agricultura e deixou de ser um sujeito nômade na terra. Praticamente, um piscar de olhos no relógio da antropologia.

São essas perguntas que motivaram o cientista de computação Danny Hills a escrever um artigo para Wired em 1995. E que, agora, começa a se tornar realidade. Com financiamento no valor de US$ 42 milhões do todo poderoso chefão da Amazon, Jeff Bezos, um relógio está, neste momento, sendo construído. Para durar 10 mil anos, não poderia ser um objeto virtual e nem dispor de tecnologia digital. Este marcador de tempo é totalmente mecânico e, para que sua estrutura não sofra com o passar dos séculos, ele está sendo instalado no oco de uma montanha, no Texas, Estados Unidos.

O relógio de 10 mil anos foi criado para obter energia a partir das mudanças de temperatura na terra. E, além da Now Long Foundation (entidade filantrópica ligada a Bezos), muitas outras pessoas estão conectadas a este projeto que, inclusive, estará aberto ao público em geral. Quando estiver funcionando, a partir de um sistema desenvolvido pelo músico britânico Brian Eno, o relogião vai tocar a, cada dia, uma melodia diferente.

Por enquanto, você só poderá conferir a evolução do projeto pelo seu site na web ou pelo vídeo abaixo. E deixar o tempo correr macio.

Clock of the Long Now – Installation Begins from The Long Now Foundation on Vimeo.

Com informações de Canal Meio, Wired e BBC.

Crédito da imagem: Unplash.

Pios Olímpicos

Twitter bate recorde olímpico: Mais de 187 milhões de tuítes durante os Jogos Rio 2016

onibus

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 acabou na semana passada. Apesar de não sair nem na décima posição, o Brasil não fez tão feio – afinal, teve seu maior recorde de medalhas em mais de 100 anos de olimpíada, com atleta batendo recorde olímpico e até ganhando mais de uma medalha na mesma edição.

Tudo isso você já sabe!

O que você não deve estar muito ligado é em outro recorde: esta também foi a olimpíada mais tuitada da História! O feito superou o recorde da Copa do Mundo, também no Brasil, em 2014.

A ideia deu muito certo. Um dos itens mais comentados do evento foi o Twitter Buzz: um busão que, no lugar das janelas, contava com painéis de LED para mostrar os principais resultados dos jogos, tuítes relevantes, painel de medalhas etc. Além disso, o veículo também funcionava como antena wi-fi para que qualquer um com conta no site pudesse usar à vontade para navegar na web. O Twitter Buzz circulou por vários pontos da capital olímpica durante as três semanas de jogos.

arcodalapa

Outra ação bacana foi a projeção dos resultados dos jogos nos Arcos da Lapa! Quer coisa mais carioca e bacana do que esta? E, também em parceria com a prefeitura, muitos pontos do Rio de Janeiro foram decorados com hashtags para incentivar a participação da galera!

“Twitter, Vine e Periscope oferecerão os usuários um acesso único a tudo o que acontece dentro do evento, comentários, destaques e conversas durante todos os Jogos e enquanto a ação acontecer”, explicou a diretora de marketing do Twitter para o G1, Leslie Berland.

ALCANCE –  O esquema não poderia ter melhor resultado: no final das Olimpíadas, mais de 187 milhões de pios foram enviados, em todo o mundo, só por conta dos Jogos. No total, esse volume gerou 75 bilhões de impressões, quantidade de vezes em que os Tweets sobre a Olimpíada do Rio de Janeiro foram vistos dentro e fora da plataforma, segundo dados do Blog do Twitter.

E de novo o Brasil surpreendeu! Adivinha qual foi o lance mais comentado de toda a Olimpíada? O pódio abaixo deixa claro!

podio

 

Agora é aguardar os resultados que a firma vai apresentar para os Jogos Paraolímpicos, que começa no feriado de 7 de setembro. Teje ligado!

PÉ NA COZINHA – Pra quem esteve ligado na final do Masterchef BR, na última terça-feira (23/08), pode ver que, outra vez, ficou por conta do Twitter dar a notícia de quem foi o grande vencedor da edição. Desta vez, a parceria para apresentar o Leonardo como grande campeão foi entre Band, TW e a operadora TIM.

Com informações da Exame, IG, G1 e Estadão.

Imagens do Pixabay, Blog do Twitter e TribunaOnline.

//platform.twitter.com/widgets.js

 

Base de Dados

A Base Nacional Comum em debate pelo MEC traz a indexação das aulas. E isso pode influenciar escolas e negócios

estudo

Os Estados Unidos estão entre os países que tem um currículo escolar padronizado, ao lado de Portugal, Finlândia e África do Sul. Sobre forte pressão política, o país só conseguiu padronizar de fato as aulas de inglês e matemática. Mas a campanha teve um sinal positivo: a indexação das aulas.

No Brasil, a Base Nacional Curricular Comum (BNCC) elaborado pelo Ministério da Educação com ajuda de 35 universidades também vem com todas as aulas codificadas. As aulas de representação do tempo da disciplina de História dos primeiros anos do ensino fundamental vêm com os códigos CHHI3FOA026 e CHHI3FOA027. Se aprovado, este vai ser o índex das aulas em qualquer escola do Brasil, seja particular ou pública, do Ceará, São Paulo, ou do interior do Rio Grande do Sul.

E assim funciona a indexação. Na versão norte-americana, conhecida como Common Core, os padrões de aprendizagem deram origem a uma série de startups com foco na área educacional. A Khan Academy foi uma delas, porque conseguiu, a partir do index geral, reorganizar todo seu conteúdo de matemática. Outro foi o GreatSchools: um site indica o melhor colégio estadunidense conforme o perfil de cada aluno.

O BNCC estará aberto para qualquer um contribuir com suas melhorias até o dia 15 de março. A ideia é debater se os conteúdos são específicos para cada matéria de verdade ou se podem ser melhorados. Até os viés ideológicos das ciências humanas estão em questão. O Twitter do MEC já anunciou, no fim de fevereiro, uma lista das primeiras contribuições da galera. Confere ai e boa aula!

 

Com informações de Época, Época Negócios e Estadão.

Crédito da foto: Salfordlad1

Melhor nem ver

Campanha da Prefeitura de Curitiba conscientiza a galera sobre a pornografia como vingança

Você recebe uma imagem ou um vídeo meio distorcido de uma garota bonita pelo seu whatspapp. Curioso (ou por gostar do tema), você rapidamente tenta fazer o download do arquivo. Eis que surge a mensagem “Se não é pra você, é melhor nem ver”.

É com esta isca que a Prefeitura de Curitiba, no Paraná, criou a campanha Mulheres Incompartilháveis: um projeto que visa conscientizar as pessoas sobre a chamada pornografia da vingança ou revenge pornquando um babaca, por ter terminado o namoro recentemente e continuar magoadinho, resolve publicar nas redes sociais as fotos ou vídeos íntimos que fez com a antiga peguete/namorada/mulher.

O crime é grave e punível por lei. Tanto o idiota que vaza um vídeo privado não autorizado quanto as pessoas que o compartilham podem ser acusadas de injúria e difamação, por causa do prejuízo que causaram à honra e à imagem da mulher exposta.

Mesmo com este alerta, o crime está cada vez mais comum. Só no ano passado, a organização SaferNet registrou mais de 200 usuários que denunciaram casos de pornografia da vingança. Segundo o Estadão, o número de denúncias quadriplicou em 2013 e 2014 e a maior parte da vítimas são garotas entre 13 e 15 anos.

Se o caso ocorrer com você ou você souber de qualquer situação assim, denuncie na Central de Atendimento à Mulher pelo Telefone 180. A ligação é gratuita e pode ser feita via celular, telefone fixo ou público.

Com informações da Revista Donna e Brasil Post.

O mundo é dos espertos

Google reúne profissionais de marketing em salas de cinema para destacar o básico – smartphones estão tão presentes na vida cotidiana que nem se nota mais

Smartphone

Por dia, você deve consultar seu smartphone cerca de 150 vezes. Checar redes sociais, comparar preços de produtos e serviços, fazer reservas em hotéis, pedir comida delivery – tudo passa pelo celular com acesso à web.

No último dia 10 de junho, o Google reuniu cerca de 7 mil profissionais de marketing e comunicação, em 22 salas de cinema espalhadas por 10 cidades brasileiras para apresentar o vídeo abaixo. A ideia é evidenciar o óbvio – o quanto o móbile está presente em nossas vidas, ultrapassando o uso do computador de mesa.

Segundo o filme, já são mais de 48 milhões de pessoas, em todo o mundo, que possuem um smartphone . Só na classe C, o crescimento é de mais de 200% nos últimos 10 anos.

Ao contrário do que se pensa, Facebook, Instagram, Twitter ou outras redes sociais já não são os principais hábitos da sua vida via celular. 72% do hábito de uso estão diluídos em buscas, mapas, e-mails, comparação de preços, compras e aplicativos diversos. Assista ao vídeo e saiba mais.

A proposta da ação, obviamente, é fazer com que anunciantes apostem mais neste universo já que, mesmo com essa quantidade enorme de usuários, os anúncios em mobile ainda representam menos de 5% das verbas de propaganda.

Com informações do Google Mobile Day e Comunique-se.

Crédito da foto: Flickr Jenny Karlsson.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.